O Supremo Tribunal Federal (STF) já formou maioria a favor de amplo compartilhamento de informações da Receita e da Unidade de Inteligência Financeira (extinto Coaf) com os Ministérios Públicos estaduais e federal.

O julgamento se debruçou sobre a decisão do presidente Dias Toffoli que, há quatro meses, determinou a suspensão de todas as investigações que utilizavam dados de órgãos de controle financeiro. A maioria decidiu que ele estava errado.

Os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luis Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Cármen Lúcia divergiram de Toffoli e votaram que as investigações como pedir compartilhamento dos dados suspeitos. Até seus amigos o deixaram na mão, Ricardo Lewandowski votou apenas sobre o compartilhamento entre Receita e MP. Já Gilmar Mendes votou pela legalidade da troca de dados da Receita.

Nunca antes na história desse país, um presidente do Supremo teve tão pouca credibilidade.